terça-feira, março 28, 2006

fala às figuras na tela II


enquanto me ocupo do vermelho e do negro, ou da busca da medida certa das trevas no triângulo difuso que vos encurrala, mantenham-se imóveis nesse movimento
permaneçam como que suspensos. segura-te em pontas e protege-a. até que eu volte para vos aclarar

guardo o lamento de não poder parar o tempo, ou colocar-vos numa redoma de algodão azul, quando vos transformais em meus filhos e devo partir
já conhecedora da medida das trevas, do medo que vos domina na solidão dessa tela

(comoves-me quando a envolves nos braços. abres as asas como o pássaro que protege a ninhada. como se a tua fragilidade pudesse suportar a loucura e o pânico)

2 Comments:

Blogger Escritor Famoso said...

Lilly!


Será sempre mais profundo se não o souberes antes.

3:15 da tarde  
Blogger Silvia Chueire said...

Gosto. Muito!

Abraço,
Silvia

6:24 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home